Tomi Ohtake

Vida e Obra de Tomi Ohtake

Você conhece a vida e a obra artista plástica japonesa Tomi Ohtake?

Leia o artigo abaixo e descubra seus feitos no meio artístico.

Tomi Ohtake

Quem foi Tomi Ohtake?

Esta artista plástica nasceu em Kyoto, no Japão, em 1913, mas mudou-se para São Paulo em 1936, fixando-se nessa cidade e naturalizando-se brasileira. O motivo de sua visita ao Brasil foi para visitar seu irmão, mas, na iminência da Segunda Guerra Mundial, ficou impossibilitada de retornar ao seu país de origem.

 

Ela é um dos principais nomes do abstracionismo informal, tendo uma obra que abrange tanto pinturas quanto gravuras e esculturas. Recebeu um prêmio no Salão Nacional de Arte Moderna, em 1960 e a Ordem do Rio Branco, em 1988, pela escultura pública que comemorava os 80 anos da imigração japonesa em São Paulo.

Dama das artes plásticas

Tomi Ohtake é considerada a dama brasileira das artes plásticas. Ela é mãe do arquiteto Ruy Ohtake e de Ricardo Ohtake, diretor do Instituto Tomi Ohtake.

Tomi Faleceu em 12 de fevereiro de 2015, em São Paulo, com 101 anos de idade, deixando uma carreira consagrada e inúmeros apoiadores e admiradores.

Suas exposições

As obras de Tomi Ohtake foram exibidas em diversas exposições, tanto públicas quanto coletivas e individuais, em museus e galerias de São Paulo e Rio de Janeiro, incluindo exibições internacionais em Nova York, Porto Rico, Roma, Milão, Buenos Aires, Lima, Bonn (Alemanha), Birmingham, Tokyo e Nicarágua.

A dama das artes plásticas também participou de salões de arte em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, e de bienais nacionais e internacionais. Possui diversos prêmios além dos citados, incluindo menções honrosas e condecorações.

Deixou diversas obras públicas principalmente em São Paulo e no Rio de Janeiro, como vitrais, painéis e esculturas, além de cenários e figurinos para a ópera Madame Butterly, do Teatro Municipal de SP.

Óleo sobre tela

A partir de agora iremos nos focar nas obras de Tomi Ohtake. São muitas delas feitas no estilo óleo sobre tela, quando, em 1952, aos 39 anos, realizou as primeiras pinturas.

As primeiras telas de Tomi retratavam as ruas e vistas da cidade, além de naturezas-mortas e retratos. Porém, a partir do ano seguinte a artista começou a pintar telas abstratas. As figuras deram lugar a formas, pois, segundo ela, a abstração permite maior liberdade para organizar o espaço da tela.

Em 1959, Tomi pintou com os olhos vendados, promovendo harmonia entre os sentidos e as sensações. A partir do ano seguinte, a artista passa à delimitação da tela por formas geométricas, especialmente as quadradas e  retangulares, movimento conhecido como abstracionismo geométrico.

Mais tarde, nos anos posteriores, a tendência citada acima se repete, mas Tomi Ohtake também passa a utilizar a repetição como característica de sua obra.

Em 1970, nova mudança. A artista deixa de lado as texturas e adere a formas chapadas, com limites nítidos e precisos, feitos por seus estudos de colagem e investigação geométrica. Nessa fase, Tomi prefere curvas e formas tubulares.

Prestes a completar cem anos, em 2009, a dama das artes plásticas se concentra em pinturas com formatos circulares, onde a figura e o fundo da tela se confundem. Nos anos seguintes, a predominância continua, porém os círculos estão mais organizados, com cores puras monocromáticas.

Exposições públicas

É possível presenciar o trabalho de Tomi Ohtake também em esculturas, painéis e monumentos, como já foi mencionado anteriormente. Agora é hora de explorar essas menções.

 

 Na Avenida 23 de Maio, em São Paulo

O Monumento à Imigração Japonesa, em comemoração aos 80 anos da vinda dos primeiros cidadãos.

No auditório Simón Bolívar do Memorial da América Latina

No metrô também existe uma considerável obra de Tomi Ohtake, na estação Consolação

 

 

Escultura exibida no Museu Metropolitano de Arte de Curitiba (MUMA) desde 1996.

Escultura metálica presente no interior do Auditório Ibirapuera, em sintonia com a arquitetura de Oscar Niemeyer.

Ainda há muitas outras obras públicas de Tomi Ohtake, mas essas já são suficientes para mostrar porque a artista é digna de tantos prêmios, menções e condecorações, que consagraram a sua carreira.

Acreditamos que vale a pena enriquecer esse post com esse excelente vídeo do Youtube. Veja!